26 de mai de 2010

Adônis, o amor negro

Na verdade, a estória de Adônis não pertence somente a mim. Mas, apesar da minha pouca participação ativa, ele também foi um dos meus amores.


Eu estava no trabalho quando uma amiga protetora me liga desesperada, dizendo que encontrou um gato no estacionamento do shopping e que não tinha como ajudá-lo e se eu podia ir com minha outra amiga ( a mesma de Ísis ) para socorrê-la.


Como eu tinha uma hora entre uma aula e outra, liguei para minha amiga e lá fomos nós.


Já estava pensando o estado do gatinho, se estaria machucado, atropelado, etc, quando chegamos.


Minha amiga estava abaixada, próximo a ele. Um gato adulto, inteiramente negro, que se esfregava carinhosamente nela.

E na cauda, não havia pêlos, carne nem nada do tipo. Apenas o OSSO do rabo, para fora.

O gatinho não parecia sentir nenhuma dor, o que era mais triste ainda. Imaginei quantos MESES ele deve ter sentido o rabo apodrecer aos poucos sem ninguem ajudá-lo. Felizmente, me ligaram do trabalho dizendo que minha aula havia sido cancelada e pude ir com elas e Adônis para o veterinário que prontamente retirou o rabo necrosado e deu uma dose de antibioticos.

Sob a luz do consultório, pudemos ver que ele estava com um principio de sarna, além de seriamente desnutrido.

E naquela noite, a primeira noite em muito tempo com certeza, Adônis iria dormir seguro, de barriga cheia de confortável.

A busca para uma familia começou imediatamente. Um dos vários preconceitos que não suporto é contra os gatos pretos. Há coisa mais linda e magnifica do que uma pantera gentil e amorosa dentro de casa?

Adônis permaneceu na clinica, foi castrado, vacinado, vermifugado, a sarna e o rabinho sararam completamente e ele ficou bem gordinho. Depois de algum tempo, minha amiga que o resgatou o levou para sua casa, apesar das 4 gatas que já possuia, pois não era justo deixá-lo na gaiola.


Então, uma pespectiva de adoção. Conversamos com a pessoa, fomos até a casa dela. Tudo parecia correto. Entregamos Adônis, minha amiga aos prantos, desejando ser a mãe dele, desejando dar a ele, para sempre, todo o amor e companheirismo que ele havia oferecido.


Depois de algumas semanas, a dona nos liga. A neta o estava machucando e ele até mesmo havia fugido e se machucado na rua. Minha amiga foi e o pegou aos prantos novamente, não acreditando que alguém pudesse ser tão irresponsável com uma vida.


Todos aqui em casa sempre sabem das desventuras dos gatinhos. E por um acaso do destino, o sobrinho da moça daqui disse que queria um gato. Mas, seria para outra cidade.


Conversei com minha amiga e sem outra opção, aceitamos.

Mostrei a foto de Adônis, passei todos as recomendações e ele foi entregue.

E ele, até hoje, é feliz.

Mimado por todos na casa, extremamente querido por seu dono e pela familia. Até mesmo bebe leite fresquinho de gado todas as manhãs.

Adônis, um gato preto, adulto, sofrido e sem rabo.


Adônis, nossa beleza negra, carinhoso, gentil e com um final muito muito feliz.

3 comentários:

  1. ESPETACULAR!!!
    GATO PRETO É SEMPRE GENTE BOA!!
    GRANDE BEIJO.
    ÓTIMA SEMANA!!
    BEIJOS.
    TAMARA - CAFÉ COM GATO.

    ResponderExcluir
  2. Desejava ter amigas como vc,asim eu poderia salvar mais gatos abandonados. As vezes penso em desistir, pois q consigo ajudar um aparesse dois.Fasso o q posso, por tanto amor ja crio 16,espero um dia poder fazer mais.Parabéns vc e uma abencoada.Um beijo no Artur,senpre vejo suas fotos ele é uma fofo.beijos Gleide

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.