25 de jan de 2011

Amor, raça e sangue


Venho de uma família - por parte de mãe - pernambucana de descendência holandesa onde olhos verdes e azuis são comuns.

Eu, filha de mãe morena de olhos verdes, nasci negra de cabelos cacheados. E meu irmão branco do cabelo lisinho e loiro.

Não preciso dizer de quem as pessoas gostavam mais.

Também acho que não preciso dizer quem de nós dois sofreu com preconceito e com apelidos por boa parte da infância e adolescência.

Demorou bastante tempo para que eu entendesse que o problema não era meu, que o Brasil é um país de mestiços e que aquela garota branca e loira que me colocava apelidos possuía um ancestral negro como meu bisavô e meu avô que me deram a cor que carrego na pele.

Quando comecei a dividir a vida com animais, nenhum deles era de raça. Todos, até hoje, eram da rua sofridos e renegados. E eu, sem amigos na escola, passava meus dias com meus bichos que, com pelagens e personalidades mais variados, possuíam de mim o mesmo amor.

Muitas pessoas já me perguntaram qual a raça do Arthur. E duvidaram fortemente quando eu disse que "um gato tão lindo" veio da lixeira, sem raça alguma e penou bastante até ter um lar.

Infelizmente a verdade é que raça, pedigree e sangue azul não salvam ninguém de tristezas.

Basta olhar tantos animais de raça abandonados e negligenciados que esperam por uma família que os vejam como seres vivos e merecedores de dignidade. E diante desses números crescentes ainda existe aqueles que preferem COMPRAR a ADOTAR um animal.

Se analisarmos o quadro geral, não só de animais de raça, mas de animais como um todo, podemos observar a dificuldade que os protetores sérios ( aqueles que não entregam animais a granel , que se preocupam genuinamente em achar os melhores lares possíveis ) enfrentam para doar.

Além de terem resgatado, investido tempo, dinheiro e carinho, ainda precisam ATURAR pessoas que pedem bichos de raças especificas, gatos brancos de olhos azuis, cães cor de chocolate, animais jovens, peludos, entre outros requisitos estéticos que nada influenciam no apego que o animal terá e mostrará a você.

Os animais não estão para adoção para que as pessoas tenham maior variedade para escolher. Os animais estão para adoção porque alguém os maltratou, alguém foi irresponsável e não castrou os pais, alguém foi fútil e os comprou e depois, cruelmente os abandonou.

Cabe a nós darmos a eles dias mais justos e a oportunidade de acreditarem na raça humana novamente.

Nenhum pai ou mãe pode escolher com precisão como serão os filhos que saem do ventre. Por quê querer escolher um filho que deveria ser do coração?

Todos os animais, independentes da idade, raça, cor ou idade merecem tudo o que eu desejo para mim.

O sangue vermelho que corre nas veias é o mesmo em todos nós.



Os animais do mundo existem por suas próprias razões. Não foram feitos para os humanos, assim como os negros não foram criados para servir aos brancos ou as mulheres para os homens.” ~ Alice Walker

5 comentários:

  1. Amei, Otávia.
    Muito lindo o texto, e muito verdadeiro também.

    ResponderExcluir
  2. é foda, amiga. mas por ser o lado que escuta as pessoas pedirem gatos por cor, idade ou qq capricho que considerem importante, tenho que concordar com vc. as pessoas acham que gatos são bibelôes em prateleiras que podem ser escolhidos. gatos nos escolhem e nada podemos fazer para mudar isso. o pior de tudo é que os que acham que tem sangue azul são os primeiros a abandonar quando a situaão aperta =(

    ResponderExcluir
  3. sem dúvida um dos textos mais lindos e verdadeiros que já li :D

    ResponderExcluir
  4. Querida, quanta realidade contida em suas palavras.
    Aqui em minha vida, meus únicos e melhores amigos da infância também foram gatos,... que eu amei, que eu chorei ao ver partindo...e até hoje em minha caminhada tenho o privilégio de conviver com eles. Sem raça, sem credo, sem preconceito e repletos de amor pra dar.
    Fica sempre bem, Toca dos Gatos.

    ResponderExcluir
  5. Tudo bem? Descobri hoje o teu blog e ainda que eu tenha começado so agora a criar gatos ja comecei sem piedade: Tenho doze! Na verdade os fui recolhendo aqui e ali, não suporto bicho maltratado qualquer que seja o bicho. Aqui onde moro a violência e o maltrato são de praxe então nos decidimos salvar (ou eles nos salvaram) alguns bichinhos. Estamos todos felizes juntos mas tenho que admitir que ainda sou muito amadora na criação dos mesmos. Todos estão vacinados, bem alimentados com boa ração e passam periodicamente pelo veterinario. Ja castramos quase todas; por mais incrivel que se pareça nesta casa so aparecem fêmeas e dormem tranquilas com um imenso jardim cheio de pererecas e lagartixas para brincar.
    Abraços

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.