31 de jan de 2011

Doação Responsável - Como proceder?


Um grande psicanalista me disse que o ato de voluntariado, no caso, de resgatar animais, vem de nosso medo da morte. Acho que posso traduzir como o desejo de preservação do que nos é querido. Pelo menos no meu caso, onde o período com os meus bichos sempre me deu uma sensação de segurança, aconchego e carinho, faz todo o sentido. Eu tenho vários problemas para confiar e me apegar a alguém pelas experiências ruins que tive com meus semelhantes e quem convive com animais sabe o quanto eles podem ser amorosos e companheiros e nos fazer esquecer de tudo o que há de ruim a nossa volta.

A alegria que o Arthur trouxe de volta à minha vida é algo que na verdade eu não consigo colocar plenamente em palavras. E, para aqueles animais que cruzaram meu caminho, desejei um futuro pleno e feliz com suas novas famílias.

Mas claro que eu já dei os meus tropeços. Tropeços feios que colocaram em risco minha confiança e auto-estima. Quero compartilhar o que aprendi ao longo do tempo, por experiencia propria ou/e com outras pessoas.

Uma adoção ser bem sucedida necessita de vários fatores que devem ser encarados com seriedade e pulso firme, começando no resgate do animal até a escolha e entrega para sua nova família.

Aqui falamos de Doação Responsável voltada para CRIAÇÃO INDOOR. Gatos dentro de casa, seguras ou em apartamentos telados, SEMPRE!

Alguns passos para resgatar e doar um animal de forma segura e responsável:

1- Levá-lo ao veterinário para uma avaliação geral. Se tudo estiver ok, o animal deve ser primeiramente castrado e vermifugado. Após a recuperação da cirurgia devemos iniciar o esquema de vacinas, com a 1º dose da vacina múltipla e a anual de raiva – se já estiver na idade adequada para cada espécie ) .

Se o animal puder permanecer em sua casa até ser doado mantenha-o em um cômodo confortável e separado dos seus. Qualquer espaço pequeno é adequado para que um gatinho possa passar algumas semanas até achar um dono definitivo. Tente não acostumar o gatinho aos seus gatos se não pretender ficar com ele, pois o stress dessa aproximação só vale a pena se os gatinhos forem viver juntos em definitivo. Lembre-se que boa imunidade significa boa saúde.

2- Se você puder ficar com o animal em sua casa ou se estiver em um lar temporário, pago ou não, não se acomode e tente sempre arrumar um novo e bom lar para ele. Mantenha as informações atualizadas assim como as fotos, continue com a divulgação e o mais importante, não se desespere. Se necessário peça ajuda para seus amigos para custear as despesas do bichinho e para outras pessoas também, mas lembre-se de que para isso você deve mantê-los informados do seu dia-a-dia ( abrir um álbum nas redes sociais ou mandar um email com fotos e notícias ), uma maneira cordial e educada de dar atenção à aqueles que estão ajudando.

Mantenha uma prestação de contas para receber doações sem desconfiança de olhares alheios. Essa simples tabela do que entra e vai para o investimento do animal é uma ótima ferramenta que incentiva a doação já que a honestidade é primordial. Junte notas, recibos e atestados veterinários de consultas, medicamentos e exames e o nome do médico responsável.

3- Dependendo do animal o tempo para o aparecimento de um adotante em potencial pode ser de alguns dias até meses. Sempre trate a todos com cordialidade pois mesmo se o animal não for aquele que procuram por causa do estilo de vida, condições financeiras, etc, sempre é bom ter novos contatos e aumentar uma “rede do bem” para futuras ajudas e adoções.

Alguns animais não arrumam logo adotantes por causa das fotos ruins que estão em sua divulgação. Uma luz, um ângulo, um certo olhar podem capturar o coração ou espantar um adotante em potencial. Pode parecer fútil, mas temos que lembrar que estamos em uma sociedade que põe a beleza em primeiro lugar. Precisamos encontrar a beleza única que cada animal possui. Divulgue em bons petshops e clinicas veterinárias e em sites e comunidades da internet que são a favor da guarda responsável.

4- Converse com o adotante de maneira educada e sincera. Diga as condições que o bichinho foi encontrado, os cuidados que recebeu de você e o que você espera para o futuro dele. Carinho, cuidados veterinários regulares, alimentação de qualidade e um lar seguro e sem acesso às ruas são premissas básicas da Guarda Responsável e não podem ser negociadas.

5- Você deve ter um Termo de Adoção e Responsabilidade ( há varios modelos disponiveis na web ), apresentá-lo ao adotante que deve acatar todas as regras e assiná-lo. Prevenção de devoluções precoces, desculpas furadas e caso o animal adquira alguma doença ou adoeça em condições graves, pode se registrar B.O com o termo.

6- Se deixe a disposição de aceitar o animal de volta se a adoção der errado. As pessoas se transformam em monstros em um piscar de olhos. Evite que o animal seja vitima de agressões, abandono e negligencia pois os danos podem ser ainda piores do que o primeiro resgate.

7- Não deixe que o adotante use você para economizar em consultas veterinárias. Deixe claro que, ao menor sinal de problemas, somente um veterinário é capaz de consultar, diagnosticar e tratar o animal de forma adequada. Por maior que seja sua experiência, eles também possuem a obrigação de levantar o bumbum da cadeira, se informar sobre os cuidados para o bem-estar e investir naquela vida que fizeram a opção de ter.

8- Somente entregue animais saudáveis, vacinados, vermifugados e castrados. Os animais doados por você são um reflexo do seu caráter e do tipo de adotante que você deseja. Se for para economizar com a saúde deles ou entregá-los para o primeiro que aparecer, nem sequer os resgate.

Na maioria das grandes cidades já existe cirurgia pediátrica ( a partir dos 3 meses ) a disposição facilmente, mas aqui em São Luís, há apenas uma veterinária que realiza o procedimento. Felizmente quando fazemos as coisas direito ganhamos credibilidade e um veterinário começou a castrar minhas gatinhas com 4 meses para ajudar na doação delas.

Nenhum protetor sério ou pessoa inteligente e responsável doa animais sem estarem castrados ou sem o contrato de pegá-los de volta com o adotante para a castração quando atingirem a idade ideal.

Doar animais não-castrados é enxugar gelo e coloca em risco todo o investimento feito naquele cão ou gato já que o mesmo irá fugir para reproduzir, ter problemas comportamentais – e correr o risco de ser devolvido – podem ter câncer nos órgãos reprodutores entre outros inúmeros problemas que a castração resolveria.

Além disso, por experiência própria, a maioria dos donos são desinformados quanto aos benefícios da castração e são relutantes em entregar o seu animal mesmo com termo de responsabilidade assinado. Não doe para alguém que é contra algum aspecto da Guarda Responsável ou é cabeça dura para aceitar FATOS comprovados.

Você também corre o risco da pessoa mudar de idéia e repassar o animal para um conhecido, amigo, etc e não ter mais noticia do paradeiro. Mesmo que o pior aconteça e ele acabe na rua novamente, um animal castrado não traz filhotes ao mundo para sofrer.

9- Não se deixe levar por chantagens emocionais. Infelizmente as pessoas que as praticam só querem passar a responsabilidade adiante e ao atender seus apelos estamos aumentando o circulo vicioso. Geralmente quem exige resgates são os mesmos que depois ignoram as contas crescentes do animal resgatado e somem sem cumprir com a palavra de ajuda que prometeram inicialmente. Somente ajude um animal abandonado se você tiver condições financeiras, emocionais e tempo e local disponíveis naquele momento.

Se animais forem abandonados propositalmente perto de sua casa e você os acolher divulgue o caso. Se os abandonos são freqüentes registrar B.O e espalhar cartazes referente ao crime de abandono com as devidas multas estampadas em letras garrafais e se possível coloque câmeras de segurança em sua casa para reconhecer e acusar os criminosos.

10- Lembre-se de que o ato de ajudar animais deve lhe trazer satisfação, nunca sentimentos ruins apesar dos momentos de frustração e tristeza que enfrentamos. Devemos ter em mente que nosso propósito é ajudar, cuidar, amar e doar. Não é saudável entupir a casa de animais, nem para nós ou para eles, afinal não sabemos o dia de amanhã, se nossa família irá se responsabilizar se algo nos acontecer e nossos queridos bichos podem acabar em algum canil municipal abandonados ou até sacrificados nos CCZ’s por nossa falta de controle.

Se você não tem condições de resgatar ou dar lar temporário, ajude de outras formas.

Se informe sobre Ong’s e protetores honestos ( também existe muitas pessoas que agem de má fé utilizando a bandeira de cuidados aos animais ), divulgue, doe ração ou medicamentos ou até mesmo a quantia para uma cirurgia de castração.

Conscientize outros sobre o conceito de Guarda Responsável, eduque seus amigos e familiares sobre nossos deveres para com os animais e os direitos deles.



Texto feito para uma amiga, com carinho :)
Contribuição textual da querida Tatis, da Confraria de Miados e Latidos ( SP )

Muito obrigada pela confiança e ajuda! :)

4 comentários:

  1. Preciso dizer que sou fã 'docêis'? :)

    ResponderExcluir
  2. Gato lindo, os dizeres são a pura realidade, tudo de bom

    ResponderExcluir
  3. Um ótimo "guia" pra quem está pensando em resgatar animais e encaminhá-los para adoção!

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.