7 de mai de 2011

Feliz Dia das Mães :)

A querida Ana Corina do mãedecachorro relatou essa semana em seu post uma situação infelizmente comum e muito desagradável que ocorre com as pessoas que possuem filhos adotados – e peludos.

Além da problemática de que “bicho não é filho de verdade”, como se todo o amor que sentíssemos só fosse real e válido ao pedaço de carne e sangue que saísse de nosso ventre ( se é assim, então qual o motivo de tantas mães biológicas abandonarem e matarem seus filhos? ), mães como eu, mães de gatos, sofrem juntamente com seus filhos pelos preconceitos estúpidos e disseminados em nossa sociedade para esses seres que tanto amamos.

Toda mãe de gato com certeza já deve ter escutado que seu querido filho ou filha é traiçoeiro. Que não gosta de sua família, que somente dá valor a casa e a comida oferecida.

Mãe de gato ou gata preta escuta comentários ignorantes sobre a cor do seu filhote assim como as mães das lindas moças escaminhas de tartaruga, que tem que explicar que não, elas não estão doentes.

Como mãe responsável de gato já tivemos que aturar aqueles que dizem que o “gato é livre, tem que passear” temos que explicar que lugar de gato não é na rua, que “passeando” é um verbo que geralmente termina com um animal atropelado, esfaqueado, queimado com água quente ou envenenado. Temos que buscar paciência para tentar ensinar que dentro de casa, em um lar seguro, é o único local onde nossos filhos realmente estarão à salvo.

E quando falamos de castração? É aí mesmo que nossa paciência tem que ser tão grande quanto o coração de mãe. Temos que dizer que não é maldade, que nosso filho não “virou bicha” e que a gata - realmente – não sente vontade de “ter bebês” , que é um investimento na saúde do animal, uma ferramenta para tentar diminuir o grande número daqueles que perambulam pelas ruas, já que - infelizmente - não há mães para todos.

Ser mãe de gato é defender seu filho quando ele é acusado de causar asma, toxoplasmose e alergias, é desfazer mitos e atestar que a única coisa que eles realmente causam em nós é o sentimento de felicidade.

Na verdade, ter um filho gato acaba sendo também uma missão. Uma missão que não é para todos, devo complementar, pois raríssimas são aquelas pessoas que eu tenho o prazer de conhecer e atestar que realmente são MÃES, amorosas e acima de tudo zelosas com a vida que o destino lhe colocou aos cuidados. Mães de gatos continuam inabaláveis mesmo diante da ignorância alheia.

Quanto a mim, além das já citadas, escutei ainda as seguintes perolas: que o Arthur era “só um gato de rua” então eu não tinha porque cuidar dele enquanto ele morava nos jardins do prédio. Que é um absurdo eu “gastar tanto com um gato vira-lata”, que eu deveria “ajudar gente ao invés de bicho” e a melhor de todas que eu “deveria arrumar um MACHO ao invés de ficar cuidando de bicho de rua”.

E sabe o que eu fiz? Afastei da minha vida essas pessoas. Lógico que tentei explicar o meu posicionamento, expliquei que a culpa de existir animais de rua é nossa, mas não adiantou, então para aqueles que se recusam a aprender, eu não me mantenho por perto, afinal se somos imutáveis é por que, na verdade, já estamos mortos por dentro.

Sou uma orgulhosa mãe de gato, amo o meu filho mais do que posso tentar explicar sem que as lágrimas comecem a invadir meus olhos. Ele é a perseverança, a coragem e o amor personificados, ele é um sobrevivente que me ensina pequenas e grandes lições todos os dias. É o ar dos meus pulmões quando a vida e as pessoas falham comigo.

Ninguém da minha família consegue imaginar o Arthur não existindo em nossa vida, pois a casa e nós mesmos seríamos mais vazios.

E, mais uma vez repito, todas as vidas que fui capaz de ajudar, cada um dos bichinhos que saíram das ruas pelas minhas mãos e hoje em dia estão felizes em seus próprios lares, foi por causa do Arthur.

Acredito que, não somente as mães de gato, mas as mães de peludos em geral, sabem o quanto é maravilhoso chegar em casa e ser recepcionada por caudas abanando e esfregões em nossas pernas. Nossos filhos são felizes apenas por existirmos e cuidarmos deles com carinho.

Fico triste pelas pessoas que não conseguem ver além da própria espécie, pois isso significa que seu coração ainda está fechado para um dos mais bonitos relacionamentos que a vida nos oferece. Se mais pessoas fossem capazes de amar e respeitar uma vida além das barreiras do DNA, com certeza teríamos menos abandonos e crueldade.

Então, para minhas queridas mães de gatos ( e de todos os outros seres! ), eu e o Arthur mandamos um abraço apertado nesse Dia das Mães!

Esperamos que a alegria da maternidade entre espécies possa ser duradoura e plena e que outros tenham a oportunidade de experimentar esse amor que vivenciamos.

E que, mais e mais crianças peludas à espera, possam encontrar os braços e o amor de uma mãe.



"O amor de uma mãe por sua criança não se compara a nada no mundo. Desconhece leis, desafia todas as coisas e derruba sem remorso tudo o que ficar em seu caminho."

Agatha Christie





12 comentários:

  1. Lindo demais....

    "Sou uma orgulhosa mãe de gato, amo o meu filho mais do que posso tentar explicar sem que as lágrimas comecem a invadir meus olhos. Ele é a perseverança, a coragem e o amor personificados, ele é um sobrevivente que me ensina pequenas e grandes lições todos os dias. É o ar dos meus pulmões quando a vida e as pessoas falham comigo."

    Tô emocionada... Parece que você estava escrevendo sobre mim.

    Só pra completar, tem uma frase que Chico Xavier disse que uso como lema... "Quem não ama um animal, ainda não aprendeu a amar."

    Parabéns por você agir dessa forma e continue assim, não esmoreça ainda que um mundo de gente esteja contra você. A pureza dos "irracionais" lhe preencherá a alma e tudo florescerá novamente!

    Beijos de uma mãe de cachorro, mãe de gato... que ama os animais como você.

    ResponderExcluir
  2. Si Otávia, esperamos e ajudamos que mais e mais crianças peludas à espera, possam encontrar os braços e o amor de uma mãe.
    Um abraço apertado também para você e Arthur nesse Dia!
    Molly, Tina e Margret

    ResponderExcluir
  3. Ô meu Deus... Bota ali mais um título no teu texto, Otávia, "Ser mãe de gato é...".
    Pecado, eu não tinha ideia, na minha ignorância de mãe de cachorro de tantas dificuldades. Toxoplasmose, ok, isso até eu vivo defendendo os peludos, mas outras, como o preconceito com os pretinhos e as tartarugas (aqui em casa a minha sogra teve uma Tartaruguinha por anos, chamada Vem, que morreu bem velhinha e agora tem a pretíssima e linda Tutu, que eu e minha cunhada resgatamos ano passado, mas essas gatas são abençoadas, nunca sofreram nada na vida além do abandono de onde logo foram resgatadas), ou a questão da "liberdade", que aprendi CONTIGO, lembra?

    E isso tudo só me lembra de te pedir pra me indicar mais textos sobre os felinos queridos, para eu ajudar vc e outras mães e pais de gato a defender a saúde e o bem-estar deles.

    Parabéns, parabéns, parabéns! Teu texto já está indicado lá no blog e se quiseres ganhar um mimo, corre lá pra ver como.

    Beijo pra ti e pro Arthur lindo! E FELIZ DIA DAS MÃES

    ResponderExcluir
  4. Chorei e me emocionei.
    Sou uma orgulhosa mãe de 5 felinos e uma humaninha que os trata como irmãozinhos.
    Estou curtindo muito isso tudo e fico realmente triste de ouvir comentários sobre o assunto.
    Fomos fazer uma homenagem no meu serviço para as mães e o colega que compartilhou comigo a criação da brincadeira saiu com a pérola: só vale mãe de humano, não dá para comparar com gato, cachorro.
    Quando acabou a homenagem, pedi um minuto e homenageei, sozinha, as mães de gatos e cães ali presentes, frisando que apenas eu estava homenageando!! Humpf!
    Vou compartilhar este post lindo de vocês no blog da Lista Gatos. Tudo bem?
    Beijinhos e feliz dia das Mães para nós todas!

    ResponderExcluir
  5. Que lindo Otávia...acho que só quem sente esse amor, entende o que é ter um filho felino, canino...Eu tenho os dois e os amo com todo o amor maternal que tenho em mim, me preocupo, cuido, amo, protejo. Há os que me julgam, há os que riem de meu amor, achando que eu só amo eles enquanto não tenho os filhos humanos, há quem se preocupe comigo achando que eu posso estar doida, ou com medo de eu não querer ter humaninhos por causa desse meu amor pelos felinos...

    Ah, tem de tudo, e eu nem me importo!

    Porque o amor que eu sinto, e o amor que eles me dão paga tudo, é meu maior presente hoje e sempre!

    Feliz dia das Mães pra todas nós, porque merecemos!

    Beijoooooooooocas e parabéns pela sensibilidade do texto!

    ResponderExcluir
  6. Que post mais lindo!! Traduziu tudo o que eu sinto, parabéns :)

    ResponderExcluir
  7. Lindos demais, Otávia! O texto e o vídeo.

    ResponderExcluir
  8. Nossa, amei, amei TUDO!
    Minhas filhas são tudo na minha vida, e me sinto tão bem ao ler um texto de alguém que pensa exatamente tudo da mesma maneira que eu penso.. Pq somos consideradas loucas pela sociedade, não que eu me importe com a opinião deles, pelo contrário desde criança sempre deixei bem claro os meus princípios, mas é tão bom saber que não estamos sozinhas nessa batalha..
    Amei! Beijoo

    ResponderExcluir
  9. Olá! Descobri hj seu blog e já me apaixonei! Principalmente com este post que me deixou com lágrimas nos olhos! Só quem é mãr de gato sabe o que estou falando!

    Seu Arthur é tudo de lindo e fofo!!!

    Venha conhecer minhas filhas: www.gatosnabiblioteca.blogspot.com

    Bjs
    Laura

    ResponderExcluir
  10. Olá Otávia! mais uma vez você passa uma linda mensagem! Claro que sei o quanto é maravilhoso ser mãe de um peludo! tenho uma menina que esta atravessando a barreira de seu universo, para me ajudar a ser uma pessoa melhor!!!

    Ando sentindo falta sua lá na comunidade GMI. Espero que esteja tudo bem com você!

    ResponderExcluir
  11. Como é bom encontrar pessoas que pensam e sentem como a gente. Suas palavras, Otávia, foram bálsamos para mim, que sofro tanto preconceito de pessoas ignorantes, que se julgam tão superiores a ponto de dizerem: "Mulher, deixe de cuidar desse gato e vá ter um filho!" Como se ter um filho peludo impedisse alguém de ter um filho humano! Como se para ter um filho, alguém tivesse que abandonar os cuidados com os bichinhos! Ninguém entende que se eu quiser ter um filho, eu tenho! Não tenho não por causa da minha filha gata, não tenho porque não quero! Eu canso da falta de sensibilidade e de educação das pessoas que se dizem amigas, mas não são amigas nem da onça, já que onça é um felino! Pessoas inconvenientes que não sabem respeitar a escolha das pessoas. Se quero ter um filho peludo, e não um filho humano, isso diz respeito a mim e ao meu marido. A ninguém mais! O pior: a forma como as pessoas demonstram esse preconceito. Palavras cheias de amargura! Quem sabe se eles tivessem um bichinho pra cuidar, seriam pessoas melhores...
    Otávia, que Deus te abençoe por todo esse amor que você tem pelos filhos peludos. Torço no seu time.

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.