7 de jun de 2011

Donos de cães e as irresponsabilidades do dia-a-dia


Quando começo a falar sobre raças, castração, criadores de fundo de quintal e Guarda Responsável algumas pessoas me perguntam se sou veterinária. Aparentemente preciso de um diploma para justificar minha preocupação pelo bem estar de animais alheios.

Sim, já pensei em fazer veterinária. Passei 17 anos pensando no assunto até que em cima da hora desisti do vestibular, fiz outra faculdade e hoje em dia tenho duas graduações que em nada se relacionam com o trato de animais. No entanto, nunca parei de estudar. Nunca parei de comprar livros sobre raças ou assistir documentários a respeito e, sem modéstia, acredito que sou uma boa cuidadora de gatos. E se algum dia eu voltar a ter cães irei me esforçar ao máximo para que eu seja uma boa pessoa para eles também.

Andando por petshops e conversando com veterinários e pessoas durante tantos anos, posso afirmar com segurança que 70% dos donos de cães em minha cidade são irresponsáveis, resultando em 80% de cães fora do padrão da raça. Os 20% que se salvam, sadios e conformados, são cães vindos de outros estados, com pedigree.

Essa irresponsabilidade tem vários níveis. O mais leve deles são aqueles donos que não castram seus animais. A irresponsabilidade nesse caso, na minha opinião, é a chance de uma piometra ou tumor de mama, útero ou testículos posteriormente. Além de problemas comportamentais como demarcação de territorio e agressividade.

Também há a chance do animal ser roubado e explorado como reprodutor de fundo de quintal, fugir - o que não é raro no caso de um macho não-castrado ao sentir o cheiro de fêmeas no cio - e ser mais um progenitor de DEZENAS de filhotes abandonados nas ruas de São Luís, isso se não acabar vitima da Cinomose, Calazar, Raiva ou qualquer outra doença tão freqüente em minha cidade. Um animal perdido é uma tristeza, mas um animal perdido e não-castrado é uma calamidade.

O segundo grau de irresponsabilidade são aquelas pessoas que compram cães de criadores de fundo de quintal. Lá no estado de São Paulo já existe uma lei ( Lei 14.483/07 ) que proíbe esse tipo de comércio e reprodução indiscriminada de cães. Somente criadores responsáveis, com licenças e registros no Kennel Clube e com animais com pedigree podem reproduzir e seus filhotes só poderão ser vendidos castrados, para evitar deterioração da raça nas mãos de gente estúpida e a chance de abandono, por parte dos donos ou por parte dos donos dos descendentes, em um futuro próximo.

Até mesmo ONGS e protetores somente podem doar animais castrados, limitando assim o trabalho PORCO de gente idiota que ainda acha desnecessário castrar um animal antes de doá-lo, ignorando um pilar principal da DOAÇÃO RESPONSÁVEL.

Doberman padrão - linhagem americana - com pedigree

O comprador de fundo de quintal tem um perfil clássico. Quer um cão “de raça”, na maioria das vezes a raça popular do momento. É preconceituoso e a idéia de adotar um cão SRD e salvar uma vida soa como a pior das ofensas.

Não pesquisa sobre o padrão da raça ou particularidades do animal que irá comprar. Se contenta com o vendedor no classificado dos jornais ou aquele petshop que mantém filhotes em gaiolas pequenas, com potes de água e comida sujos. Animais claramente com menos de 60 dias, pai e mãe desconhecidos. E mesmo quando conhece os pais do filhote, por sua ignorância, não consegue distinguir os erros de padrão e comportamento dos animais. E compra o filhote, por um preço absurdo, achando que fez o melhor negocio do mundo.

Aí as doenças crônicas começam a aparecer. Alergias que nunca saram. Ou comportamentos anormais do que é esperado da raça, como um yorkshire ou poodle agressivos.

O shih-tzu de pernas curtas ou com os olhos extremamente saltados. Lábios e nariz despigmentados, prognatismo mandibular, displasia severa, problemas cardíacos, etc. O maltês e rottweiler de focinhos compridos, ou yorkshire-minis, maltês-mini, poodle micro-toy, e tantos outros primores da ignorância e invenção brasileiras. Isso sem falar nos dobermans magros e fracos prestes a se quebrar.

Rottweiler padrão com pedigree

Até mesmo o comportamento esperado em raças mais ativas como o Terrier Brasileiro (conhecido como Fox Paulistinha) são motivo para abandono, já que o comprador por impulso ignora que Terriers NÃO são cães calmos e silenciosos como o criador de fundo de quintal havia prometido.

Alguns donos de cães vindos de fundo de quintal conseguem quebrar o ciclo da ignorância, se educam e castram seu animal para que o mal acabe por ali. Mas infelizmente essa não é uma regra.

E não são raros os compradores de fundo de quintal que põem nos animais a culpa por sua estupidez, por terem sido enganados, descobrindo que o cão não é “de rassa” livrando-se do animal, soltando no meio da rua ou repassando para o primeiro que aparecer, sem nenhum pingo de remorso.


Maltês padrão com pedigree

Eu odeio criadores de fundo de quintal. Eles destroem vidas e raças diariamente. Exploram os animais, separam os filhotes da mãe antes da época correta, forçam fêmeas a cruzar e emprenhar diversas vezes seguidas, tornam machos neuróticos e agressivos em relação a outros cães.

E o pior de tudo: criadores de fundo de quintal são responsáveis pelo surgimento de outros criadores de fundo de quintal. Pessoas que – por terem comprado um animal – se acham no direito de reproduzi-lo.

Ainda existem aqueles que vêem um dono de cão ingênuo e começam a elogiar o animal apenas para tentar conseguir uma cruza para seu animal e mais uns trocados no bolso.

Tem coisa mais horrenda do que uma pessoa que coloca o animal para cruzar contando os dias para que possa vender os filhotes? Contando nos dedos os trouxas que irá enganar e quando poderá ganhar mais uns trocados em cima de VIDAS.

Yorkshire Terrier padrão com pedigree

Enquanto isso criadores responsáveis e idôneos que realmente amam seus animais e estudam sobre a raça, que apenas os reproduzem para uma melhoria genética, que escolhem a dedo para onde seus filhotes CASTRADOS estarão, que se comprometem em aceitá-los de volta se o dono mudou de opinião, ainda são minoria.

Você, que coloca seu cão de companhia para reproduzir, sabe o destino de cada um dos filhotes do seu animal que você vendeu sem castrar? Queria saber se você sabe se todos eles são bem tratados, queridos e acima de tudo, se seus donos não fizeram como você e também cruzaram os cães que você trouxe ao mundo, alongando ainda mais um ciclo arriscado e vicioso? E onde estarão os descendentes? Será que todos tem bons lares? Será que não estão a esse mesmo momento comendo um resto de lixo pelas ruas ou morrendo nas rodas de um carro?

Poodle padrão com pedigree

Seu animal não precisa reproduzir. Você não precisa se rebaixar a esse grupo de pessoas que produzem vidas sem destino certo, que destroem raças e colocam animais sem conformação, doentes e desequilibrados no mundo.

Queria perguntar para essas pessoas como elas conseguem dormir à noite sem a certeza de que os filhotes de seu cão “tão amado” podem estar sofrendo. Pode estar trazendo outros para sofrer nesse mundo. Ou será que esse dinheiro SUJO também comprou sua paz de espírito?

A Lei Tripoli está fazendo muita falta em São Luís do Maranhão. E eu teria muito prazer em denunciar cada um desses criadores de fundo de quintal que conheço. Quer um animal de raça? Guarda dinheiro e valorize ocriador responsável e ético comprando um animal com pedigree, mentalmente e fisicamente saudável e CASTRADO.

Fazemos campanhas para preservar o meio-ambiente, a agua, as florestas e animais silvestres mas não cuidamos do amanhã de nossos próprios bichos de estimação.

Você pode ser dono de seu cão, mas o bem estar dele assim como o futuro de seus descendentes não está sob seu poder. Respeite e seja digno com o passado, presente e futuro do animal em suas mãos.


"Exijo a castração dos meus filhotes para companhia porque acredito que a superpopulação de cães errantes, o descontrole da leishmaniose visceral canina, a perda da tipicidade e saúde de muitas raças, entre outras questões, são problemas diretamente ligados aos criadores de cães de raça.

Nós, que criamos cães, não podemos fechar os olhos para estes problemas que também são sociais.

Portanto, durmo todos os dias tranqüila ao saber que um filhote que saiu da minha casa não vai gerar 100 descendentes indiretos, por pessoas irresponsáveis.

É gratificante para mim saber que meu hobby não é um ônus social, nem onera a raça que crio."

Camilli Chamone, criadora registrada de Buldogues Franceses ( Canil Ville Chamonix ), Membro Efetivo do Conselho Disciplinar do Kennel Clube da Grande BH e Diretora da Federação Mineira de Cinofilia

7 comentários:

  1. Clap, clap, clap, teu texto está perfeito, Otávia! Mesmo que amemos os animais sem raça definida, os cães e gatos com raça definida são uma realidade e não devem ser menosprezados e, muito menos, ignorados como fortes atores principais no drama que é a superpopulação de animais de rua.

    Já estou divulgando o texto no Facebook e no Twitter. Beijo e parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Olha... eu posso dizer de carteirinha. São muito poucos os criadores idôneos, que respeitam o animal não como um produto, mas um ser que merece ser amado e ter uma vida digna.
    Eu menosprezo as pessoas que enchem a boca para dizer que não castram pois estarão mutilando o animal.
    Tenho pavor...
    Adorei o teu post (como sempre!).
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. sensacional texto e argumentos.
    parabéns!

    ResponderExcluir
  4. Outro texto perfeito, Otávia! Nunca canso de ler o que você escreve...

    ResponderExcluir
  5. Blz, tenho um filhote da raça rottweiller e nasceu com seis dedos nas patas traseiras os outros irmãozinhos nasceram normais. Estão com 4 dias de vida, é necessário retirar esses dedos que estão passando?Meu e-mail é mabru5@hotmail.com

    ResponderExcluir
  6. nossa... isso é anomalia genetica, com certeza vc deve ser um criador de fundo de quintal q não fez qq teste de saúde com os pais desses animais. eu tenho nojo de criador de fundo de quintal, justamente por suas irresponsabilidades que apenas prejudicam os bichos.
    pelo menos tenha a decencia de procurar um veterinário correto para atendê-los, ao invés de procurar consulta gratuita pela internet e faça o favor de castrar todos para que esse gene não se espalhe.
    a criação de cães deve ser feita por gente COMPETENTE, ESTUDIOSA e REGISTRADA, não por amadores exploradores como vc.
    sinto pelos cães
    passar bem.

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.