20 de ago de 2011

Fotografando Gatos

O meu contato com a fotografia aconteceu de uma forma bem atrasada. Por anos eu sequer toquei em uma câmera, até que comecei a juntar dinheiro para comprar minha primeira CANON A420 pelo MercadoLivre, que demorou quase um mÊs para chegar durante uma greve dos correios.
Na época eu fazia hipismo e foi com os cavalos que aprendi as coisas mais básicas da fotografia como enquadramento, como melhor capturar luz natural e, é claro, a captura de movimento, sem falhas. Logicamente que nessa época eu me valia do modo de imagem estabilizada para capturar os saltos durante treinos e competições, mas mesmo assim, com o passar do tempo, meus colegas de esporte sempre me pediam para tirar fotos deles durante as pistas e alguns diziam que minhas fotos eram melhores do que a do fotografo profissional que era contratado durante as pistas. Enquanto eu conseguia 10-15 fotos de uma só pista, ele geralmente apresentava 5 clicks decentes.


2006
Com a chegada do Arthur minhas fotos se dividiam entre cavalos e o gatinho. Devo admitir que as primeiras fotos do Arthur eram um meio de mantê-lo por perto quando eu subia para o apartamento e tinha que deixá-lo lá embaixo. Também era uma forma de nunca esquecê-lo, pois eu sempre acordava no outro dia temendo não encontrá-lo. Uma das coisas que me marcou quando nos mudamos e tive que me separar dos meus gatos foi não possuir nenhuma foto deles. E com o passar do tempo prometi a mim mesma que, mesmo aquele gatinho não-oficialmente meu, teria o maior número de fotos possível.
A quase 5 anos fotografar o Arthur é o melhor dos meus hobbies. Desde pequeno ele me apresentou poses e olhares encantadores e minha mãe já naquela época, dizia que ele adorava se mostrar.
As coisas ficaram mais fáceis quando ele aprendeu o comando “sentar” e “ficar” , mas mesmo enquanto brincava, mesmo apenas se espreguiçando ou fazendo charminho no chão, - e correndo total risco de parecer uma mãe babona - as fotos dele sempre foram maravilhosas.

Arthur com 9 meses de idade ( 2007 )
Na verdade, o Arthur foi o meu grande professor. Assim que comecei a colocar as fotos dele em meu Orkut e em comunidades sobre gatos, mais e mais pessoas apareciam elogiando não só o modelo, mas os elementos da foto também. Sem perceber eu me via capaz de envolvê-lo assim como a atmosfera ao redor, tudo se mesclando ao meu olhar. Não me entendam mal, eu não sou uma fotografa profissional e ainda estou longe de ser uma fotografa decente. Somente a aproximadamente 1 ano aprendi a usar um editor para trabalhar melhor as cores ( eu ainda não sei usar Photoshop ) e com o passar dos anos investi em câmeras melhores, mas justamente por minhas incapacidades, nenhuma profissional.
A dois anos tenho a CANON XS210 IS e não penso em trocá-la tão cedo, além da comodidade de deixá-la somente no modo simples na maior parte do tempo e ter fotos adoráveis, adoro o fato de ser uma câmera que cabe no bolso, para todas as ocasiões :)
Ainda tenho muito o que aprender, mas com o Arthur e os diversos resgatinhos, tenho noções do que fazer ao fotografar gatos, especialmente aqueles que estão na fila de adoção. Uma boa foto pode fazer toda a diferença.
1- Não use flash
Por mais difícil que seja capturar um gato em movimento, o flash do modo de estabilizador de imagem pode estragar não só a foto, mas a experiencia para o animal. Primeiramente, nem mesmo os nossos olhos ficam confortáveis com aquela explosão branca, imagine os olhos de um gato, muito mais sensíveis do que os nossos. O flash nos olhos de um gato pode irritá-lo de tal maneira que ele nunca irá aceitar uma câmera em sua frente ( recebo muitas reclamações de gatos que até fogem o_O ) . E mesmo quando o gato permanece na pose, não existe coisa mais horrível do que o flash refletindo nas retinas, resultando em olhos vermelhos e um aspecto fantasmagórico.
2- Aproveite-se da luz, mesmo à noite
A partir do momento que nos livramos do flash, abrimos um novo leque de possibilidades quanto à luz e situações. Minha preferência são fotos diurnas ( especialmente com sol ) e à tarde, também com as luzes do por-do-sol, se possível. As cores do pêlo e olhos do gato mudam com o passar do dia e é legal capturar essas variações.
Ao tirarmos fotos a noite temos que nos certificar que o comodo é bem iluminado, com luzes amarelas ou brancas, desde que fortes o suficiente para ficar nítido e que, mesmo com o gato se movimentando, manter o nível de tremor minimo possível.
Para quem mora em apartamento, até mesmo a luz que entra por uma janela com persianas pode render uma bela foto se soubermos o melhor angulo para aproveitar a iluminação e as sombras do momento.


Clarinha no dia que foi resgatada ( 2010 )

3- Estabilize a câmera
Depois de centenas de fotos nesses últimos anos ( mais de 500 delas somente do Arthur ), a firmeza em minhas mãos está 80%. Ainda é necessário uma duzia de fotos para que 6 se salve ( hehehe ) mas considerando como eu comecei, acredito que foi uma melhora. E não é necessariamente preciso um tripé para isso - nunca usei o da minha camera O_o - apenas um ponto firme para apoiar os cotovelos ou mesmo deitando no chão com a câmera no mesmo nível do animal, para que a unica preocupação seja divertir-se com o que há a sua frente :)


Alexis brincando ( 2009 )
4- Seja você um ponto focal
Uma das coisas mais legais sobre os gatos é que é muito fácil chamar a atenção deles. Ás vezes um simples som ( "pssss pssss" ), um brinquedinho ou até mesmo um petisco pode fazer com que eles olhem para onde queremos e façam diferentes poses.
Com o Arthur utilizo um canudo ou lápis ( ele é fanático por coisas cilíndricas ), digo o nome dele ou até a própria alça da câmera ajuda na maioria das vezes. Com os resgates, chamar o nome deles bem baixinho e de forma carinhosa ( minha amiga diz que tenho "voz de ursinho" heheheh ) também funciona e para gatos mais brincalhões, mexer os dedos no chão, eles se colocam em modo de caça e não há nada mais bonito do que capturar um gato e seu lado selvagem :)

Ulisses ( 2010 )
5- Capturando o olhar
O olhar e a expressão de um animal são as armas mais poderosas que um protetor possuí ao anunciá-lo e conseguir uma boa adoção. Já vi fotos sofríveis de gatos disponiveis e os responsáveis se lamentando a razão da falta de procura. Mesmo que o gatinho seja maravilhoso pessoalmente, é necessário que ao menos uma foto capture sua personalidade e elegância.
As vezes nos deparamos com animais belissimos que facilitam muito o trabalho, em outras vezes, são gatos considerados "comuns" mas que possuem um visual imponente e marcante se apenas soubemos como melhor traduzi-lo. Já vi fotografias lindíssimas de gatos pretos, escaminhas e tigrados, gatos que seriam ignorados a primeira vista, mas que encontraram alguém que sabia apreciar aquela beleza individual.

Nick, um branco e tigrado "comum" que teve mais de 10 interessados
:) ~ 2011
A maioria dos resgatos anunciados pela internet chamam a atenção de um adotante em potencial pelas fotos apresentadas.

Isaac ( 2010 )
Além disso, a feição e o olhar de um gato mudam durante sua vida e as situações em que ele se encontra. Outro dia estava percebendo que agora o Arthur, com 4 anos e 9 meses, tem uma feição total de adulto ( gatos se tornam adultos plenamente aos 3 anos e meio ) . O mesmo acontece com os resgatos. Geralmente os que chegam aqui demonstram certa tristeza em seu semblante, resultados do abandono, fome e doenças, mas em poucas semanas de cuidado é possivel perceber o que carinho e atenção podem fazer.

Icaro quando foi resgatado ( 8/11/2010 )

Ícaro ( 13/11/2010 )
6- Ao manipular o gato para uma foto, o faça da forma mais gentil possível
Nada me incomoda mais do que anúncios para adoção onde as pessoas seguram os bichinhos de forma bruta, agarrando as patas ou a pele do pescoço, como se fosse um bezerro a ser derrubado em rodeio. A não ser que você esteja lidando com um gato anti-social - que nem indico a manipulação excessiva ou fotos para não estressá-lo ainda mais - gatos, desde que tratados com gentileza, na maioria das vezes colaboram em nossas mãos e braços. Coloque o gatinho em suas mãos e aprenda onde ele sente mais prazer em ser acariciado e se utilize do carinho para deixá-lo relaxado e contente para uma foto.
Além disso, a foto de um gatinho feliz e tranquilo com contato humano pode incentivar adotantes :)

Amélie ( 2010 )
7- Aproveite-se do que há ao seu redor
A maioria das pessoas não conta com um background de estúdio para fotos, ainda mais de gatos, que se podem se assustar e ficar estressados com a menor mudança de ambiente. Tente aproveitar aquela colcha de cama mais bonita, o raio de sol que reflete no chão de sua casa, aquela caixa de papelão colorido ou mesmo um vaso de plantas. Aqui em casa criamos um pequeno jardim para o Arthur, não somente pelas fotos, mas porque ele é apaixonada por plantas ( até demais... por causa do tamanho, já destruiu boa parte das mais delicadas ao cheirá-las ) e sabendo utilizar o que há aqui em casa, consigo uns resultados interessantes.


8- Faça com que seja agradável para o gato
Acho que esse é o ponto mais importante deste post. O gatinho tem que gostar de ser fotografado. A foto de um gato dormindo pode não ser nada demais, mas dependendo da satisfação do animal, pode ser algo extremamente encantador.
Leozinho em sono profundo no meio da cozinha ( 2010 )
Associe as fotos a brincadeiras, petiscos e carinho. Acredite, nada consegue fazer com que um gato tire uma foto a menos que ele queira. Já cansei de perder manhãs inteiras de sabado com o Arthur e não conseguir um resultado decente sequer, simplesmente por ele estar de mau humor. Nessas horas só vale agradar o gatinho um pouco mais, deixá-lo em paz e torcer para estar com a câmera por perto quando ele fizer uma coisa fofa :D

"Mãaaaaae, me dá a graminha, pooooor favooooooor!"

*Agradecimentos à Heri Carvalho, blogueira/maquiadora/fotógrafa, pela revisão :)
Para quem curte maquiagem e belas fotos, visitem:

8 comentários:

  1. Ficou muito bom o texto. Vamos ver se com o tempo eu também pego prática nas fotos com a Sophie.

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito das dicas, o meu problema é que as gatas não querem olhar para a câmera, eu faço barulhos, assobio e elas olham para o outro lado ! Mesmo assim consigo tirar algumas fotos interessantes.Os meus cachorros são mais difíceis ainda...
    Outro dia vi um site que se chama The cat scan, com fotos escaneadas de gatos e estou tentando escanear as gatas sem o menor sucesso, seguro gentilmente as duas mas elas conseguem escapar...
    Beijos
    Laís

    ResponderExcluir
  3. Adorei o texto!!Muitas dicas legais, vou praticar mais...
    Tenho um zilhão de fotos dos meus "fiotes" e poucas costumam se salvar...tem que ter paciência, e é como vc escreveu, tem dia que o gato não quer, então não tem jeito mesmo!!!
    Quero muito comprar uma câmera profissional um dia,mas sei que o mais importante é o operador!! =D

    ResponderExcluir
  4. Muito bom o texto..!!!
    Parabéns pelas fotos q vc tira do Arthur.. são lindíssimas!!! Assim como o modelo, né! rs

    ResponderExcluir
  5. OI, Otávia
    Suas fotos do Arthur e dos outros gatinhos são ótimas! Sue modelo preferido ajuda muito, né? A gente fica muito inspirada quando tem uma belezura dessas olhando par a gente!
    Aqui em casa eu tenho 9 gatos, alguns gostam de posar para a câmera, como Henri que fica horas, até já fiz foto no tripé e ele lá, paradinho...
    Uma dica boa e regular o white balance da cãmera de acordo com a luz que se tem. Hoje em dia até as câmeras mais simples t~em esse recurso. Faz muita diferença do que manter sempre no automático.
    Bjs e boas fotos!
    Stela e Petetecos

    ResponderExcluir
  6. Oi Otávia adoro fotografia e estou sempre procurando dicas e cursos sobre esse assunto, achei muito legal as dicas que você deu bem como suas fotos. claro que também amo gatos e tenho no momento três aqui em casa, então não me falta modelo. Beijos

    ResponderExcluir
  7. Me ajudou mto!! é bem dificil fotografar gatinhos^^

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.