17 de dez de 2011

Revoluções de sofá e mouses indignados


Nos últimos meses vejo nas redes sociais movimentos de indignação por parte de seus usuários, em relação a inúmeros casos de maus-tratos à animais ao redor do Brasil.

Não que estes casos apenas começaram a acontecer recentemente. Para quem está na proteção animal, que lidamos com isso diariamente, colocando literalmente nossas mãos em animais sangrando, esqueléticos e doentes, resultados direto da negligencia humana, esses casos, apesar de sempre revoltantes, não são novidade.

Mas, parece que somente agora, a crueldade contra animais se tornou realidade para os demais brasileiros e como tudo que se populariza, também tenho algumas ressalvas em relação a este ativismo internetico.

Coloco como exemplo o caso dessa semana, um cãozinho yorkshire que foi espancado e veio a óbito pelas mãos de sua dona, que o torturou na rente de uma criança de 3 anos.

O crime foi gravado pela vizinha do andar de cima, como forma de denuncia pois os atos de violência não eram incomuns. O que não se previa era que justamente nesta noite a loucura da mulher iria matar o animal.

E então começaram as chover os compartilhamentos, as frases prontas e cheias de raiva. Pessoas querendo matar a mulher, a pessoa que filmou, desejando mal a toda a família, expondo fotos de cães de raças grandes e já encobertas de preconceito, como vingadores e matadores de aluguel para atacar a mulher, entre outras barbaridades que um crime bárbaro provoca.

No entanto, a indignação que nas redes sociais é tão intensa, se cala diariamente para tantos outros animais que morrem nas ruas, atropelados, envenenados, surrados e, por não terem ninguém para filmar suas dores, seus sofrimentos são despercebidos e ignorados propositalmente.

De tantas pessoas que se indignaram pelo caso do cãozinho, quantas já pararam na rua para colocar água ou comida para um vira-lata doente? Quantas já bateram o pé ou espantaram um gato de rua que se esfrega implorando comida ou até jogaram água quente em algum animal perturbando em suas proximidades?

Clamar justiça por um animal mas esquecer todos aqueles ao seu redor, aí mesmo, na sua vizinhança.

E quantas dessas pessoas que culpam a mulher, xingando-a e desejando sua morte, divulgando seus dados, etc, já colocaram seus próprios yorkshires ou cães de outra raça para reproduzir indiscriminadamente? A grande grande maioria, com certeza. E essa sua irresponsabilidade pode ser o que causou a morte desse animal.

Você, que reproduziu seu macho ou fêmea para obter um trocado, pode ter sido quem colocou essa vitima nas mãos da “enfermeira do diabo”. Estatisticas não mentem, 9 entre cada 10 filhotes que você coloca no mundo por ganância nunca encontrarão um bom lar. Aquele filhote que você vendeu pro primeiro que apareceu abrindo a carteira pode ter acabado nas ruas, estar acorrentado passando fome no quintal de alguem e ser mais uma vitima, como o yorkshire filmado. Já pararam para pensar nisso também?

Por ultimo deixo o recado de que nada adianta colocar fotos de pitbulls, rottweillers e outras raças grandes para se encontrarem com a enfermeira, pois estes animais são tão vitimas quanto qualquer cão pequeno diante da crueldade humana. O cão Lobo, que também encontrou uma morte estúpida e sofrida nas mãos de seu dono, era um rottweiller. Pitbulls são espancados e mortos cruelmente todos os dias. São colocados para brigar e se estraçalharem em rinhas, por nossa sede de dinheiro em cima do sangue alheio. Essas imagens apenas aumentam o medo ignorante em relação a essas raças.

Vamos mais longe... souberam dos 49 animais selvagens que foram mortos a tiros em uma fuga de zoológico particular nos E.U.A? Tigres e leões, os reis da selva, criaturas majestosas e mortais, que foram abatidas tão facilmente com armas de fogo.

Nenhum animal, grande ou pequeno, está a salvo de nossa loucura.

O pior é que todas essas pessoas que compartilharam o vídeo do cão, que xingaram a mulher, que clamam por justiça, apenas o fazem do conforto de suas casas, nunca sequer colocando suas palavras em ação. Revoluções de sofá e mouses indignados que não mudam nada.

A dona do cão SE sofrer alguma condenação será por expor a criança ao crime, não pelo animal. Não se engane achando que compartilhar esse vídeo monstruoso irá servir de alguma coisa.

Eu não assisti. Não preciso dessa tortura para saber ou lembrar das coisas que vivencio.

As coisas que me incomodam eu tento mudar com AÇÕES, com minhas próprias mãos, sem esperar nada dos outros, nadando contra uma maré de gente acomodada, em uma cidade que personifica o atraso e ignorância.


Se você se revolta com maus-tratos contra animais, ajude um animal de rua ou doe para um protetor ou ONG sérios.

Esse cão morreu por culpa de nossa irresponsabilidade, como sociedade, com os animais.
O criador de fundo de quintal de onde esse animal veio, o marido e familiares que com certeza já testemunharam outros abusos, os vizinhos que ficaram calados ouvindo o choro do cão e todos nós que observamos animais sofrendo, sem mover um dedo.

E essa de “ela estava com depressão” não cola.  É até um insulto para milhares de pessoas que sofrem ou já sofreram com a doença e nunca sequer levantaram a voz para seus animais de estimação.

Sinto muito por este e por todos os cães, gatos, cavalos e centenas de outros tipos de animais que, sem vídeos ou comoções na internet, são vitimas diariamente.

2 comentários:

  1. Concordo que foi dito muita bobagem e que a maioria das pessoas pouco olham para o lado, seja para ver o sofrimento de um animal ou de outra pessoa. Quem vive ajudando diariamente os animais já viu e infelizmente vai continuar vendo muita coisa ruim, muitos exemplos da crueldade das pessas, minha gatinha mesmo é um desses exemplos. Só que tirando as bobagens mostradas, devemos ver que pelo menos assim de alguma forma as pessoas discutem os maus tratos aos animais. Pelo menos neste caso ela foi exposta publicamente pelo que fez, pois sabemos que muitas outras fazem igual e não tem nem a vergonha de ser criticada pelos seus atos. Ver esse caso e outros como o do cachorro arrastado, serve como diminutos exemplos em uma imensidão de casos, mas pelo menos começam a ter uma voz na midia e assim chegar a outras pessoas, e se isso servir para fazer com que se pense mais sobre o assunto já vai ser um pequeno ganho.
    Sei que para quem luta diariamente pode parecer palavras vazias tudo que se é dito, pois sabemos que muitas pessoas fingem não ver o que acontece, mas se ao menos uma dessas pessoas mudar e passar a prestar atenção e ajudar, já vai ser uma gotinha a mais no oceano, já vai ser mais uma companheira de luta, já vai ser mais uma esperança.
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Concordo plenamente com a Eva. Claro que esses compartilhamentos surtiu um efeito! E um grande efeito! Muitas pessoas que não se atingiam com os maus-tratos, passaram a abrir os olhos para essa triste realidade. Pode ser que a maioria não tenha feito grande coisa, mas mesmo que apenas tenha compartilhado, pode ter aberto os olhos de algumas pessoas que realmente pretendem ajudar. Sei porque quando eu falava de mau-tratos a animais, muitos não davam muita atenção. Após esse compartilhamento massivo, a maioria abriu os olhos para que isso existe, sim e precisa ser combatido! Acredito que muitos tenham se tornado, a partir daí, protetores também.
    Grande abraço!

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.